Apresentações, statement do júri e anúncio de vencedores Finalistas do 2º Prêmio seLecT no Seminário de Arte e Educação, realizado no CCBB-DF (Fotos: Guilherme Kardel)

Apresentações, statement do júri e anúncio de vencedores

Abertura do Seminário de Arte e Educação do 2º Prêmio seLecT, com apresentação de Paula Alzugaray, diretora da revista seLecT, na manhã do dia 11/9, no CCBB-DF.

Em abril de 2018, dedicamos uma edição da revista seLecT à discussão sobre a ausência de política cultural no Brasil. Quatro meses depois, estamos diante da destruição do Museu Nacional, que guardava a memória dos muitos povos que constituem o Brasil.

Com esse evento, o que era ausência de políticas culturais e falta de respeito pela história, a cultura e a educação no Brasil, ganha a fisionomia de crime.

Qual a diferença entre assistir aos atentados a monumentos históricos no Oriente Médio pelo Estado Islâmico, ou à destruição das Torres Gêmeas nova-iorquinas pela Al-Quaïda, e a aniquilação de 90% do patrimônio material e imaterial guardado no Museu Nacional?

O destino calamitoso do nosso patrimônio é, sim, comparável a atos de terrorismo na medida em que é resultado da incapacidade de zelo e ao desprezo de seus próprios guardiães. Faço minhas as palavras do historiador da arte Rafael Cardoso no texto “O Brasil na Fogueira”, publicado na semana passada na revistapessoa.com.

“Como coletividade, não soubemos zelar por aquele patrimônio, assim como não atribuímos o devido cuidado a nenhum de nossos preciosos acervos públicos e instituições culturais. Somos uma sociedade que não respeita o berço em que nasceu. Como certos pássaros, emporcalhamos o próprio ninho. Jogamos lixo na rua, esgoto no mar, veneno nos rios. Roubamos monumentos para fundir o bronze e vender por peso. Nomeamos para cargos públicos pessoas que surrupiam o patrimônio da nação”.

Reconhecemos que o destino do Museu Nacional não é um caso isolado. Para citar outros casos emblemáticos, há 40 anos, o acervo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro foi convertido em pó em um incêndio de proporções similares ao da Quinta da Boa Vista.  Em 2014 foi a vez do Liceu de Artes e Ofícios, de São Paulo, em 2015 do Museu da Língua Portuguesa, e em 2016 da Cinemateca Brasileira.

Mais uma grave evidência de que recursos são invariavelmente retirados da educação e da cultura a fim de maquiar contas que não fecham, desde 2015, dezenas de cursos de ensino superior de arte e design desapareceram sob a lógica de que a oferta educacional é um produto e o público, consumidor.

Paula Alzugaray abre trabalhos do Seminário de Arte e Educação do 2º Prêmio seLecT

Em artigo publicado na edição Política Cultural da seLecT, a professora e pesquisadora Mirtes Marins de Oliveira elucida o desmonte sistemático da educação artística no Brasil, recorrendo a informações fornecidas pela Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP), que fornece os dados consolidados do Cadastro do e-MEC de Instituições e Cursos de Educação Superior para a área de artes visuais. Em 2015, o documento aponta para a descontinuidade ou fechamento total de cerca de 28% dos cursos de bacharelado e 20% das licenciaturas – presenciais e à distância – em Artes Visuais no Brasil. No mesmo documento referente ao ano de 2016, dos 367 cursos oferecidos no segmento Artes Visuais, 17 estavam em processo de descredenciamento solicitado pelas próprias instituições.

A esse quadro, soma-se a nova versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino médio no que diz respeito ao ensino de Artes e Humanidades, que prevê que apenas as áreas de linguagens e matemática devem ser ofertadas de forma obrigatória nos três anos do ensino médio.

O que se pode concluir de tudo isso?

Que o incêndio do Museu Nacional não é um acidente. É um desastre cultural que responde a duzentos anos de descaso e desmandos.

“O incêndio do Museu Nacional”, continua Rafael Cardoso, “além de tragédia, foi crime. Um crime que condena a sociedade brasileira quase inteira, com exceção dos poucos e bons que lutam bravamente para manter vivas a memória e a cultura contra o descaso da maioria esmagadora.”

Nesta segunda edição do Prêmio seLecT de Arte e Educação, homenageamos estes não tão poucos, mas bravos, artistas e formadores que trabalham pela formação dos brasileiros a partir da integração entre a arte e a educação.

Recebemos 250 projetos de 17 estados brasileiros.

Os seis finalistas, presentes nesta terceira e última fase de julgamento, destacam em suas propostas, segundo aponta Giselle Beiguelman, presidente do júri, novas abordagens das questões de gênero e da cultura indígena nas escolas e no cotidiano. Apontam para a urgência de pensar as relações com o meio ambiente, privilegiando um olhar para a diversidade e a experiência do compartilhamento, e propõem interlocuções mais fluidas entre o público e as instituições, alterando as formas de circulação e experimentação dos espaços.

Ressalto que os seis projetos apresentados hoje no Seminário de Arte e Educação notabilizam-se por sua capacidade de transcender os modelos de educação formal, abrindo possibilidades para acreditarmos na construção de um Brasil possível.

Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília

 

Nesta manhã, teremos três proponentes da categoria ARTISTA, que contempla autores de obras artísticas cujo foco de pesquisa envolve estratégias de formação e mediação, visando promover o pensamento crítico e as relações entre indivíduo e seu meio social. São eles:

Bruno Moreschi (SP), com o trabalho A História da _rte, que reúne dados quantitativos e qualitativos sobre 2.443 artistas encontrados em 11 livros utilizados em cursos de graduação de artes visuais no Brasil.

Cecília Andrade (CE), com o trabalho Excursão Pajeú, exposição na qual público é convidado a procurar e refletir sobre o riacho Pajeú, rio em desaparição, na cidade de Fortaleza.

Sue Nhamandu (SP), com o trabalho Ryzoma Pornoklasta, uma pedagogia de conscientização sobre a vitalidade do sistema patriarcal, baseada em exercícios eróticos que explicitam os mitos das diferenças entre masculino e feminino.

À tarde, após o intervalo para almoço, teremos três proponentes da categoria FORMADOR, que contempla professores/ agenciadores/ formadores ou instituições responsáveis por projetos comprometidos com uma pedagogia para as artes, assim como com o empreendimento de modelos inovadores de educação da arte ou pela arte. São eles: 

Instituto Tomie Ohtake e Centre Pompidou (SP), com o trabalho Alucinações Parciais: exposição-escola com obras-primas modernas do Brasil e do Centre Pompidou, mostra coletiva que traz educação como plataforma central para criação de relações entre públicos e obras.

Maya Inbar (RJ), com o trabalho Programa de Arte Ambiental, em que a professora do Colégio de Aplicação da UFRJ propõe debates e atividades sobre natureza, agrofloresta e diversidade.

Tales Bedeschi (MG), com o trabalho Arte indígena na escola não indígena, que desenvolve abordagens metodológicas para estudar o universo epistemológico, cultural e artístico de povos indígenas na escola.

O Prêmio seLecT de Arte e Educação é uma iniciativa da revista seLecT, a fim de contribuir para a difusão de novos modelos de educação em favor da formação intelectual e cultural do cidadão.

O Prêmio conta com incentivo do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet), e só é possível graças ao patrocínio do Banco do Brasil e da Galeria Almeida e Dale. Agradecemos também à parceria da Galeria A Gentil Carioca, que este ano associa ao Prêmio seLecT o seu projeto Camisa Educação; e aos nossos colaboradores, Luana Fortes, jornalista da revista seLecT, Ana Diniz e Bê Machado, da Editora Três; e nosso júri de seleção e premiação formado por Giselle Beiguelman, Marcio Harum, Cayo Honorato, Mario Ramiro e Ana Avelar. A todos, muito obrigada.

Finalistas e membros do júri de premiação do 2º Prêmio seLecT de Arte e Educação

 

Fala de Paula Alzugaray, diretora da revista seLecT, que abriu as apresentações dos finalistas na tarde de 11/9 no CCBB-DF.

Eu gostaria de abrir os trabalhos desta tarde do 2º Seminário seLecT de Arte e Educação com uma história contada por Renato Janine Ribeiro, professor titular de ética e filosofia política da Universidade de São Paulo. Esta história está contada no livro “A pátria educadora em colapso” (lançado pela editora Três Estrelas no início deste ano de 2018).

A EDUCAÇÃO PRECISA SER CRIATIVA

No filme O Diretor de harmonia (2014), de Luiz Bolognesi e Lais Bodanzky, o educador Tião Rocha conta que nos anos 1980 foi nomeado pró-reitor de uma universidade mineira e no mesmo dia teve uma reunião com um secretário de estado. Discutia-se crise, segurança, disciplina. Tião pediu a palavra e disse:

– No Brasil há uma escola que nunca teve crise, evasão, dependência, segunda época, violência, quebra-quebra.

– Essa escola não existe, professor!, disseram

– É essa escola que temos de criar. Mas ela já existe.

– Qual?

– É a escola de samba. Você já ouviu falar de crise em escola de samba, em bomba, repetência, evasão? Alguém ja tomou bomba em tamborim?

Aquilo criou um mal-estar, segundo o educador. Então uma senhora, assessora do secretário, disse:

– Professor, isso aqui é uma reunião séria!

Tião respondeu:

– A senhora não conhece nada de escola de samba. Na sua escola não há um encarregado da disciplina?

– Claro.

– Pois a escola de samba não tem um encarregado da disciplina. Escola de samba tem diretor de harmonia!

“Fechou o tempo”, contou Tião, que comentou em seguida: a educação brasileira tem muito a aprender com a cultura brasileira. Joãozinho Trinta, lembrou ele, transformou uma cidade a partir de uma escola de samba. Nilópolis é em grande parte produto da Beija-Flor, escola que o carnavalesco dirigiu durante muito tempo. E que tem diretor de harmnia.

Tião Rocha diz que foi demitido no mesmo dia de sua posse e que a escola de seus sonhos – e que deveria ser a do sonho de todos – é a que faz o aluno desejar frequentá-la também aos sábados e aos domingos.

Paula Alzugaray e Giselle Beiguelman anunciam as vencedoras do 2º Prêmio seLecT de Arte e Educação: Sue Nhamandu e Maya Inbar

Anúncio de vencedores e statement do júri de premiação, composto por Ana Avelar, Cayo Honorato, Mario Ramiro e presidido por Giselle Beiguelman

Fazer um Prêmio dedicado à arte e educação no Brasil de hoje é, em si, um ato de resistência. Não existem áreas mais abandonadas, atacadas e vilipendiadas que essas no nosso momento histórico.

Na contramão do processo de desmonte das políticas públicas de fomento ao ensino, à pesquisa, e à criação, os seis finalistas desta segunda edição do Prêmio seLecT de arte e educação são a expressão da relevância desse debate.

Atuando como artistas e como formadores, seus projetos contemplam a urgência de discutirmos pedagogias para dar conta das demandas da lei 11645, que tornou “obrigatório  o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena, no âmbito de todo o currículo escolar”, e dos apagamentos a que foram submetidas suas histórias e saberes.

Trazem novos aportes às práticas voltadas à educação ambiental, sexual e patrimonial e revelam novas dimensões das ambivalências das definições de gênero e das políticas do corpo no espaço. Revelam, ainda, a potência do ensino público, instância a que estão ligadas a maior parte dos projetos finalistas, e a determinação dos artistas de e professores.

Em suas práticas, assumem o desafio de conceber mundos onde a questão principal é “Como fazer COM e não fazer PARA ou POR?”. O que unifica a multiplicidade das propostas dos finalistas é a aposta na construção de processos coletivos, nos quais a escuta do outro, o respeito e a compreensão das diferenças são centrais.

Sue Nhamandu e Maya Inbar, as vencedoras do 2º Prêmio seLecT de Arte e Educação nas categorias Artista e Formador, respectivamente

Eles e elas propõem tecnologias sociais para desvendar as formas de produção social do espaço urbano, como faz Cecilia Andrade, de Fortaleza, com Excursão Pajeú, e para desconstruir uma historiografia hegemônica, que ocultou as mulheres e suprimiu as artistas negras da história da arte, como fez Bruno Moreschi e sua equipe multidisciplinar, no seu meticuloso a historia da _rte [um projeto que se tornou referência para as pesquisas na área, como atestaram as diversas citações feitas ao seu banco de dados por outros finalistas].

Chamam nossa atenção para necessidade de romper com os cânones estabelecidos, como Sue Nhamandu, que propõe, em experimentos performáticos, a descolonização do corpo feminino, e o Insituto Tomie Ohtake, que apresenta, a partir da exposição Alucinações Parciais, uma proposta que implode os limites entre espaço expositivo e educativo.

Enfrentando os desafios da contemporaneidade, Tales Bedeschi Faria, de Belo Horizonte, e Maya Inbar, do Rio de Janeiro, discutem, respectivamente, como elaborar uma pedagogia indígena para não-indígenas e o Programa de Arte Ambiental. Tales desenvolve uma metodologia baseada na participação e contato e com as populações indígenas. Já Maya Inbar, procura articular na prática da educação ambiental, uma visão transdisciplinar que torna indissociável a criação artística do processo de conhecimento da natureza e de nós mesmos.

Destinado a projetos integralmente realizados até a data de seleção dos finalistas pelo Júri, o Prêmio não se é voltado ao fomento de projetos a serem desenvolvidos.

Para a premiação, o Júri do 2º Prêmio seLecT de Arte e Educação destacou os projetos que atestaram potência para formular e experimentar metodologias pedagógicas inovadoras,  sintonizadas com as demandas do País e da contemporaneidade.

Na categoria artista, premiamos Sue Nhamandu, com um projeto que propôs um enfoque radical para problematizar as ambivalências das noções de gênero, a partir da educação sexual, pensando a prática pedagógica como elemento fundamental de constituição da subjetividade.

Na categoria formador, voltamos nossa atenção para a escola como um agente de transformação social a partir do projeto de Maya Inbar. Por ser o centro irradiador de uma cultura pautada pelo reconhecimento da diversidade, essa escola plural expande as noções de consciência ecológica. Abre-se para possibilidade de uma prática transdisciplinar e de novas pedagogias que privilegiam o prazer do processo de aprendizagem.

Por fim, oferecemos a Bruno Moreschi a oportunidade de desenvolver uma Camisa Educação, projeto da nova parceira do Prêmio seLecT, a galeria A Gentil Carioca. A camiseta será lançada em fevereiro de 2019, na exposição Abre Alas.

Os finalistas foram presenteados com exemplares da Camisa Educação
Enterradas vivas: estratégias neoliberais Estudantes marcham em São Paulo, aos gritos de “Não tem reforma, vai ter luta!”, contra a reforma do Ensino Médio, em 2016 (Foto: Agência Brasil)

Enterradas vivas: estratégias neoliberais

Cursos de ensino superior de arte e design desaparecem sob a lógica de que a oferta educacional é um produto e o público, consumidor

Mirtes Marins de Oliveira

Desde 2009, quando do início de descontinuidade das ações de um mestrado em Moda na cidade de São Paulo, verifica-se que, de forma sistemática, algumas Instituições de Ensino Superior (IES) optaram por encerrar a oferta de cursos no campo da arte e do design. Uso a palavra descontinuidade por tê-la escutado várias vezes em processos que acompanhei de perto. Seu uso tem uma função apaziguadora de professores e alunos, embutindo, por parte das IES, morte lenta ao processo de fechamento desses cursos, uma exigência da legislação que prevê que os alunos já matriculados devam ser atendidos até o final do curso.

Quase dez anos depois, e com o acúmulo de outros casos, é necessário levantar hipóteses sobre possíveis causas dessa situação: seria um ataque deliberado das instituições educacionais especificamente ao campo artístico, histórica e supostamente considerado criativo, crítico e inovador?

Para tentar estabelecer outros vínculos, aproveito informações concedidas pela Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas (Anpap), que fornece os dados consolidados do Cadastro do e-MEC de Instituições e Cursos de Educação Superior de 2015 para a área de artes visuais. Naquele ano, o documento aponta para a descontinuidade ou fechamento total de cerca de 28% dos cursos de bacharelado e 20% das licenciaturas – presenciais e a distância – em Artes Visuais (e cursos afins como Arte e Moda ou Arte com Habilitação em Figurino e Indumentária) no Brasil, incluindo nessa contabilidade iniciativas de IES particulares, públicas e comunitárias. No mesmo documento referente ao ano de 2016, dos 367 cursos oferecidos no segmento Artes Visuais, 17 estão em processo de descredenciamento solicitado pelas próprias instituições.

Mas seria essa situação circunscrita à área artística? Como confrontá-la com a profissionalização visível e a consolidação de um circuito artístico em algumas regiões do Brasil nas últimas décadas? Essa relação – entre fechamento de cursos em nível superior de Artes e o circuito – pode ser estabelecida de forma tão direta? Haveria um desmonte, que seria no campo cultural ou educacional? Ou ambos? Haveria uma conexão com o contexto internacional? Não é possível compreender essa operação sem considerar que se fala de um sistema educacional cujos alvos não seriam apenas os cursos de Arte, mas, aparentemente, as Humanidades de maneira geral.

Descontinuidades
Depois de alguns anos nos quais o foco desse sistema foi a expansão da educação superior no Brasil através de políticas de acesso e apoio às instituições por meio do oferecimento de cursos a distância, das políticas de cotas, do Programa de Financiamento Estudantil (Fies), do Programa Universidade para Todos (ProUni), do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), verifica-se a descontinuidade também desses processos. Apesar dessa entrada por meio do ensino superior, uma visada mais ampla permite observar que esse novo desenho não se restringe nesse nível, mas é possível observá-lo em outras instâncias. Assim, é possível compreender a nova versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino médio a partir das descontinuidades, específicas no que diz respeito ao ensino de Artes e Humanidades, já que o documento prevê que apenas as áreas de linguagens e matemática devem ser ofertadas de forma obrigatória nos três anos do ensino médio.

Falar em sistema, no caso da arte e da educação, implica uma percepção local e global. Também em 2015, The Guardian publicou um artigo de Suzanne Moore, Our art schools have become finishing schools for a wealthy few, no qual tratava dos protestos e ocupações na Central St. Martins protagonizados por alunos de artes. Moore apontava para a abrangência desses protestos – com ecos internacionais – que chamavam atenção para cortes financeiros nos cursos daquela fundação. Sua avaliação, conforme indica o título da matéria, era a de que as escolas de arte se tornariam restritas e abertas apenas para aqueles que pudessem pagar por essa educação. Segundo a autora, a base dessa premissa é a de que arte é um luxo e, portanto, não mereceria financiamento público.

Certamente, os artistas de Arts & Crafts (do século 19) e Bauhaus (no século 20), para considerar apenas uma visada europeia, reviraram-se nos túmulos com essa formulação simplista e limitada. Mas também não é essa uma formulação que circula atualmente pelas mídias diversas sobre o papel da arte nas sociedades? Faz muito sentido buscar essa redefinição do que é arte com a finalidade de (re)encaixá-la na categoria luxo, quando se trata de, com essa operação, reduzir preocupações e, principalmente, gastos. Mas, se Arts & Crafts e Bauhaus tentaram articular inovação, criatividade e pensamento crítico (o que se espera de um ensino em Arte e Humanidades) em diálogo com o capital, o que dizer das inúmeras experiências em arte e design que buscam a experimentação? Enterradas vivas, operam nas instâncias periféricas e permanecem, portanto, sem fomento para desenvolvimento e sustentação.

De qualquer forma, urge pensar, debater e duvidar das descontinuidades, mas a pauta necessária como pano de fundo é discutir a função social da arte e também da educação. Ambas consideradas e apoiadas não apenas em nível superior ou de pesquisa, mas também como fundamento desde os primeiros anos escolares. Arte e educação para artistas e para todos. Mas estaria essa questão no horizonte do circuito artístico para além do número de passantes em catracas, que, muitas vezes, considera a oferta educacional um produto e o público, consumidor, delineado pela cada vez mais frequente atuação do departamento de marketing, que agora passa a fornecer diretrizes para as atividades educacionais. Essa constatação pode ser observada de outro ângulo: significa que certa produção artística (e sua educação correspondente) mantém-se desejável, porque inserida na lógica monetária.

Assim, o que não pode ser transmutado rapidamente nessa ordem deve ser descartado e desqualificado porque não merecedor de atenção, estímulo, investimento. Estendida para o campo ampliado das Humanidades (se ficarmos a penas no âmbito da Universidade), talvez seja possível concluir que as descontinuidades não têm como alvo o exercício do pensamento crítico, mas são resultado da incapacidade do campo de, em curto espaço de tempo, se transformar em moeda. 

Processos transversais Educadores diante da instalação Fragments de Ibrahim Mahama na exposição Ex Africa (Foto: Programa CCBB Educativo)

Processos transversais

Nova abordagem do programa educativo do CCBB entremeia processos pedagógicos, curatoriais e artísticos

Luana Fortes

Este ano foi implementado novo programa educativo, concebido pelo grupo JA.CA – Centro de Arte e Tecnologia, nas unidades do Centro Cultural Banco do Brasil. O projeto tem como coordenadores Mateus Mesquisa em Belo Horizonte, Pablo Lafuente no Rio de Janeiro, Yana Tamayo em Brasília e Márcio Harum, membro do júri de seleção do Prêmio seLecT de Arte e Educação, em São Paulo.

O principal valor considerado para o desenvolvimento da nova abordagem foi a transversalidade dos processos pedagógicos, curatoriais e artísticos. “O Programa CCBB Educativo – Arte & Educação desenvolve ações que estimulam a experiência, a criação, a investigação e a reflexão”, conta Harum à seLecT. Cada atividade é pensada de acordo com as respectivas agendas dos CCBBs e enquadra-se em um dos quatro principais eixos do programa: Transbordar, Outros Saberes, Processos Compartilhados e Acessibilidade e Inclusão.

Transbordar busca o diálogo entre os educadores do CCBB e a comunidade escolar. As atividades do eixo incluem visitas mediadas a exposições e visitas patrimoniais, que percorrem o edifício sede de cada CCBB abordando sua história e arquitetura. Também parte desse eixo são duas atividades destinadas a professores e educadores. O Curso Transversalidade aborda temas transversais entre arte e educação e a Semana do Educador, que acontece após a abertura de exposição, oferece visitas mediadas aos professores e os informa sobre a agenda paralela a cada mostra. Nessas duas atividades acontece um sorteio que na visão de Harum tem contribuído para que a programação do educativo seja inclusiva e acessível para diferentes públicos. No curso ou na semana, os professores representam a instituição onde lecionam e concorrem a um trajeto gratuito até o CCBB, com visita guiada. “O agendamento de ônibus para escolas, ONGs, associações e grupos específicos tem sido uma iniciativa de êxito para a vinda de novos públicos, e com isso os perfis de visitação vêm se ampliando”, diz o coordenador.

Um diferencial do programa é sem dúvida sua plataforma online (www.ccbbeducativo.com). Desenvolvida pelo artista e programador Andrei Thomaz, a plataforma traz a programação completa do educativo, permite o agendamento de visitas e pretende ser um espaço de memória, referência e formação, a partir de um arquivo digital. Mas como o programa acaba de ser implementado, o arquivo apenas mostra espaço para a história do novo educativo começar.

Imaginária, feminista e na Amazônia Detalhe de Instituto Experimental Tropical del Amazonas (2017). A Notebook. de Mariángeles Soto-Díaz (Foto: Cortesia da Artista)

Imaginária, feminista e na Amazônia

Mariángeles Soto-Díaz idealiza escola imaginária Instituto Experimental Tropical del Amazonas, fundada por feministas com base em culturas indígenas

Luana Fortes

Diante da instalação Instituto Experimental Tropical del Amazonas (2018), questiona-se sobre a existência de uma escola de artes na Floresta Amazônica entre os anos 1935 e 1942. Ela de fato existiu? Só na cabeça de sua idealizadora, Mariángeles Soto-Díaz. A artista venezuelana exibiu um arquivo detalhado sobre a escola imaginária no Centro de Artes 18th Street, em Santa Monica, California. A exposição aconteceu de fevereiro a maio de 2018.

Com base em conhecimentos e habilidades de etnias indígenas como Ye’kuana e Yanomami, que vivem na fronteira entre o Brasil e a Venezuela, o Instituto Experimental Tropical del Amazonas foi criado por um grupo de artistas feministas. Seu foco era reimaginar modos de viver e fazer arte em consonância com a natureza, dentro dela e até em contraste com ela. Enquanto funcionou, teve visitas de Oswald de Andrade e palestras de Le Corbusier e Sonia Delaunay.

Além de colagens, desenhos, mapas e materiais tropicais como urucum, coco e papeis de fibra feitos à mão, a obra de Soto-Díaz traz um manifesto em que afirma: “Nós esperamos que o espírito desta escola dure mais do que nós (…). Reconhecemos que por definição não existem utopias corporificadas, mas apenas a intenção de viver pela promessa de nos atirar em direção aos poderes metafísicos em circulação que só conseguimos imaginar”.

Em 1942, a escola teve um fim – mesmo que imaginário – partindo da ideia de uma instituição efêmera. Já que seu abrigo era a floresta, seguiu o mesmo caminho de um galho caído que se decompõe sobre o chão molhado. Ao acabar, o Instituto Experimental Tropical del Amazonas remanesce como ruína de um futuro perdido. A ruína de algo que nunca teve corpo, mas existiu.

Vista da instalação Instituto Tropical Experimental del Amazonas (2018), de Mariángeles Soto-Díaz, exibido no Centro de Artes 18th Street (Foto: Gene Ogami, Cortesia 18th Street Arts Center)
Vida que continua

Vida que continua

Contemplado no Rumos Itaú Cultural 2017-2018, Área Criativa – Pinhões, de Bruno Vilela, é a nova fase do projeto vencedor do 1º Prêmio seLecT de Arte e Educação, em 2017

Paula Alzugaray

Área Criativa – Pinhões é um dos 109 projetos contemplados no programa Rumos Itaú Cultural (2017-2018). A proposta de Bruno Vilela é criar uma pesquisa sobre processos construtivos de baixo custo e construir um espaço cultural autogerido pelo grupo de jovens da comunidade quilombola de Pinhões, em Santa Luzia (MG). Os participantes, junto com a equipe do projeto, vão desenvolver a arquitetura, a programação, as regras de funcionamento e as formas de gestão do espaço.

Vilela foi o vencedor do 1º Prêmio seLecT de Arte e Educação na categoria Formador, com o Espaço Cultural Área Criativa, espaço autogerido por jovens e crianças da cidade de Pedra Azul (MG), com atividades e regras de funcionamento pensadas pelos próprios usuários. Após três anos de sua implantação em uma cidade que não dispunha de equipamentos culturais, a Área Criativa continua ativa.
Com ações voltadas a promover discussões sobre arte e direitos humanos, o gestor e produtor cultural Bruno Vilela foi estimulado a retomar a estratégia da Área Criativa em Pinhões, bairro quilombola do município de Santa Luzia (MG). “Programamos realizar dez intervenções do projeto Mídia Tática em diferentes cidades, com grupos de jovens organizados em torno de direitos humanos. Mas os moradores de Pinhões não quiseram só uma intervenção efêmera, e sim criar uma ‘área criativa’, em caráter permanente”, conta Vilela à seLecT.
Como a verba que tinha para uma intervenção não alcançava construir um espaço cultural nos moldes de Pedra Azul, foi criado o Espaço Teto Aberto – literalmente um teto para abarcar encontros e discussões para a afirmação do jovem quilombola. “O Teto é um lugar para a discussão de políticas – do próprio espaço e do município. Se a gente pode criar regras para um espaço, por que não podemos interferir nas regras que o Estado dedica à população?”, diz Vilela.

Da diversidade às adversidades

Da diversidade às adversidades

Membros do júri falam sobre particularidades das inscrições e chegam a 60 pré-selecionados
Confira a lista!

Paula Alzugaray e Giselle Beiguelman

Entre os mais de 500 inscritos na primeira edição do Prêmio seLecT de Arte e Educação tivemos boas surpresas e a confirmação de tristes realidades.

Entre as boas surpresas destaca-se o arco de abrangência das inscrições tanto do ponto de vista territorial, de Norte a Sul do Brasil, como temático.

Na categoria Artista, o Prêmio atingiu 44 cidades de 21 estados brasileiros. Na categoria Formador, constata-se uma diversidade ainda maior: 104 cidades de 18 estados. Escapando à previsibilidade das capitais e dos grandes centros urbanos, a edição inaugural contou com uma significativa presença de projetos de artistas vindos de cidades como Tangará da Serra (MT); Ipatinga (MG); São Gonçalo (RJ), Vassouras (RJ); Marechal Rondon (PR); Orleans (SC), Criciúma (SC), Itajaí (SC); Cabedelos (PB); Petrolina (PE), Lagoa dos Gatos (PE), Itambé (PE) e Aparecida de Goiania (DF), além de vários projetos do interior do Paraná e Manaus (AM).

Do ponto de vista temático, nota-se uma emergente e bem-vinda presença de projetos desenvolvidos, nos últimos dois anos, a partir da demanda e da necessidade do debate das questões das relações raciais e de gênero, a fim de dar legitimidade às Leis 10.639/03 e 11.645/08, que tornaram obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena no país.

É notável, também, o crescimento de ações e projetos criados em comunidades e nas periferias, fora dos circuitos tradicionais de arte e das instituições educacionais, que trazem abordagens artísticas inovadoras e outras potências para o campo da educação.

A presença de projetos pedagógicos integradores, relacionando a cidade, o meio ambiente, o patrimônio histórico e cultural e projetos voltados para a integração de minorias e deficientes também foram recorrentes.

Percebe-se, ainda, que o audiovisual e as artes do corpo estão hoje incorporadas às metodologias pedagógicas e difundidas entre escolas municipais e estaduais brasileiras.

A multiplicidade institucional das inscrições é outro ponto a destacar. Na categoria Formador, recebemos projetos provenientes de pequenas escolas municipais do interior do Brasil, de núcleos de pesquisa de importantes universidades do país, como a USP e UFF, e chegando até instituições de arte brasileiras internacionalmente reconhecidas, como o Instituto Inhotim e a Fundação Bienal de São Paulo.

Nas duas categorias, apareceram projetos de diversas escalas, voltadas para a mobilização de comunidades inteiras ou de uma sala de aula. Na sua diversidade, mostrando “muita vontade de conexão”, como aponta o educador Paulo Portella, integrante do júri de seleção.

Chamou a atenção, também, que há uma tendência à formação de redes e de equipes multidisciplinares para projetos colaborativos e de co-autoria, na interseção entre diferentes áreas do saber, fomentando múltiplos pontos de vista.

Entre as citações mais constantes, sobre o trabalho em arte e educação, a abordagem triangular (fazer, ler e contextualizar) de Ana Mae Barbosa e textos do filósofo francês Jacques Rancière são as referências centrais.

Triste realidade

Em muitos casos, o escopo dos projetos evidencia que a arte ainda é vista como forma de diversão ou desenvolvimento de auto-estima.

Salta à vista a coragem e a quantidade de iniciativas pessoais em ambientes de descaso. Elas evidenciam a dimensão de desvalorização da disciplina de artes pelo Estado e a carência de políticas públicas nas áreas de arte e educação.

 

Confira a lista dos proponentes pré-selecionados:

O ARTISTA FORMADOR: ANTONIA PEREZ Antonia Perez e seu trabalho White Fence (Foto: Nancy Bareis)

O ARTISTA FORMADOR: ANTONIA PEREZ

Dando sequência à série de depoimentos publicada na 33ª edição da revista seLecT, a artista americana conta como transmite seu amor e apreço pela arte às novas gerações

Como artista visual, estou ativa em dois mundo que, cada vez mais, se sobrepõe, tanto na realidade, como conceitualmente – o universo do artista como pensador, feitor, apresentador e o universo do artista como professor, facilitador, engajador social. Agora, quando considero minha prática, ela não está limitada a minha vida no ateliê, mas também inclui as maneiras pelas quais eu levo a vida do ateliê para o lado de fora e compartilho com os outros, não apenas com exposições, mas também com a audiência ativa de salas de aula, performances/demonstrações contínuas, trabalhos públicos de arte e workshops. Eu vejo a atividade artística de forma holística e eu penso a arte em si como uma parte integral da vida, sem a qual nós humanos teríamos uma existência estática. Eu vejo o papel do artista como o de alguém cujas responsabilidades incluem usar meios criativos para provocar perguntas e divagações, além de ativar o público, expandindo suas mentes. Eu vejo o artista, seu processo e sua produção como algo que deve estar disponível a todos, não apenas a uma pequena parcela da sociedade que podem arcar com o acesso.

Pela história, artistas foram professores, treinando pessoas mais jovens em suas escolas, filosofias, métodos e técnicas. Esse processo era uma parte integral das suas habilidades para sobreviver financeiramente como artista. O sistema produziu assistentes para criar grandes trabalhos sob o nome de algum nome e muitos deles tornaram-se reconhecidos artistas com méritos próprios. Uma forma desse sistema ainda existe na sociedade contemporânea. Estudantes de arte em programas de mestrado, ou trabalhando em ateliês sob a tutela de artistas consagrados, recebem esse tipo de treinamento e apenas poucos protegidos aprendizes conseguem abrir caminho nesse sistema. No entanto, ele exclui a vasta maioria do público geral de se engajar com a arte.

Desde jovem, cada indivíduo deve ter experiências ativas com arte – vê-la, pensar sobre ela, criá-la e desenvolvê-la. Para fazer isso, ele deve também ter um significativo contato com artistas que também são professores. Esse engajamento com a arte deveria continuar pela vida da pessoa até seus últimos dias. Trata-se de um engajamento íntimo que abre a cabeça de um visitante/participante a pensar crítica e analiticamente; ele libera para processos criativos que convidam à experimentação e exploração e leva a pessoa a entender a trajetória do cânone da arte, suas limitações e preconceitos. Ele convida o visitante/participante a um nível de entendimento da arte que é profundamente mais complexo do que uma simples contemplação do que é bonito ou tecnicamente adepto.

Esse tipo de relação e participação nas artes é para indivíduos que pensam crítica e analiticamente sobre o mundo ao seu redor, entendem que tem escolhas e uma voz, olham além da superfície para significados mais profundos das coisas, estão dispostos a trabalhar para soluções que ultrapassam as simples e óbvias, sentem-se confortáveis ao ouvir ideias dos outros e são verdadeiros apoiadores das artes como uma parte necessária da vida de todos. Engajamento ativo com a arte é para aqueles que não apenas apreciam-na como audiência passiva, mas pessoas que são reais participantes do universo ao redor. Artistas, que compartilham seus processos criativos e facilitam esse tipo de engajamento com crianças, jovens e adultos de todas as idades, são chamados de artistas formadores.

 

*Antonia Perez é artista visual, trabalha com escultura, pintura e trabalhos site-specific a partir da reutilização de materiais coletados ao longo do tempo – antoniaaperezstudio.com

Estrutura tecnológica de pensamento Fenster (Ventana/Window, 2001-2002/2010), de Luis Camnitzer (Foto: Cortesia Alexander Gray Associates, Nova York)

Estrutura tecnológica de pensamento

Curso de pós-graduação da FAAP propõe novos modelos para pensar o ensino

Por Luana Fortes

Como pensar processos de formação em um universo digital? De acordo com a professora e doutora Suzana Torres, não se trata apenas de usar a tecnologia como ferramenta na sala de aula, mas sim de pensar em uma estrutura tecnológica de pensamento. É a partir desse desafio que ela montou, e agora coordena, Docência e Educação na Contemporaneidade, apenas um dos vários novos cursos de pós-graduação que a FAAP passa a oferecer em 2017.

Torres acredita que a formação da grande maioria dos professores não é suficiente para fazer da sala de aula um espaço efetivo de aproximação, troca e construção. Por esse motivo, um curso de especialização mostra-se necessário. Causa estranhamento à professora que algumas práticas de ensino usadas hoje foram construídas quando a sociedade ainda era de tradição e cultura oral. Já se foram os tempos de ba be bi bo bu. Hoje, a cultura é digital. “Pensar o cenário atual é pensar em redes, conexões e imagens. É tirar o foco no ensino e colocá-lo na aprendizagem”, diz a professora à seLecT. Docência e Educação na Contemporaneidade, então, oferece um espaço para a proposição de outros desenhos, pois o atual é resultado de opções históricas que podem ser repensadas. “Às vezes, o professor nem quer ensinar de determinada forma, mas ele ainda não sabe fazer de outra”, pondera.

O curso é encabeçado pela Faculdade de Artes Plásticas da instituição, mas, pensando a educação como multidisciplinar e algo de comprometimento coletivo, não se destina exclusivamente para professores de áreas culturais. Ele traz à tona as possíveis contribuições que a arte pode trazer para a educação diante de uma solicitação de nível bem ampla, destinada a profissionais de diferentes graus de ensino, assim como aqueles que pretendem estar envolvidos com a educação apenas no futuro. Inclusive, esse é o ponto de partida do programa, que se inicia pensando a respeito daquilo que move e orienta os próprios estudantes do curso.

A oportunidade de montar essa pós-graduação também serve como pontapé para novas ações ao redor do mesmo assunto. É o caso da palestra Como se Ensina a Estudar: Uma Tarefa de Toda a Comunidade Escolar, ministrada por uma das professoras que compõe o corpo docente do curso, Walkiria de Oliveira, em 6/3, às 21h30.

O artista formador: Carmela Gross A artista Carmela Gross ao lado da instalação Escada-Escola (Foto: Paulo D'Alessandro)

O artista formador: Carmela Gross

Em série de depoimentos, grandes nomes da cena brasileira contam como transmitem seu amor e apreço pela arte às novas gerações

Por Luciana Pareja Norbiato, Felipe Stoffa e Carmela Gross

 

Ensinar é um processo múltiplo. Nenhum método de ensino dá conta sozinho de fixar as bases de atuação de seus agentes. Mesmo nas ciências exatas, a maneira como o professor lida com sua disciplina influencia diretamente os resultados e o interesse dos alunos. No ensino de artes visuais, essa fluidez epistemológica é potencializada. O ato do ensino e da aprendizagem pode começar em instituições formais, como escolas e faculdades, e ultrapassar a sala de aula para acontecer em conversas, projetos e até na rua. A produção de certos artistas não seria a mesma sem o ato generoso de compartilhar conhecimento e experiência com as novas gerações. Saiba o que Carmela Gross; artista e autora da instalação Escada-Escola, que liga a Chácara Lane (Museu da Cidade) à Escola Municipal Gabriel Prestes, SP; pensa sobre a dimensão formativa da arte:

“Borrar os limites entre o que chamamos arte e aquilo que consideramos ensino”
Minha primeira proposição para o projeto desta exposição foi imaginar uma integração ativa e formal entre o espaço da Chácara Lane e a Escola Municipal Gabriel Prestes, em São Paulo: apagar os limites físicos entre uma e outra, retirar o muro/grade que as separa, integrar atividades e fazer com que a escola e a casa-museu pudessem se coordenar em uma nova unidade espacial e programática. Além de unificar os espaços, minha proposta pretendia borrar os limites entre o que chamamos arte e aquilo que consideramos ensino. Poder recompor a atividade artística como ação lúcida e lúdica, pensar a educação como atividade livre e criadora. Mas essa enorme tarefa não cabia no âmbito da exposição. Então, imaginei um dispositivo simbólico que pudesse significar o salto desejado – uma escada dupla que fizesse a transposição sobre a grade, tornando possível passar da escola para o museu e do museu para a escola. Projetei uma escada metálica de dois lances, com 1,5 metro de altura, 0,60 metro de largura e 4,60 metros de comprimento, com nove degraus de cada lado, articulada por uma pequena plataforma central. Todo o conjunto é pintado de vermelho. O desenho em linhas metálicas vermelhas talvez assinale um caminho.

Incerta reforma Camisa Educação#69 de Beto Shwafaty para galeria A Gentil Carioca (Foto: Pedro Agilson)

Incerta reforma

Mudanças no Ensino Médio geram insegurança a respeito da arte como disciplina obrigatória

 

Por Luana Fortes

 

Em 2016, estudantes da rede pública de ensino ocuparam mais de mil escolas ao redor de todo o País em protesto a certas medidas relacionadas a ensino. Uma delas, a Medida Provisória 746, que traz mudanças no segundo grau, acaba de ter seu texto aprovado pelo plenário do Senado Federal, seguindo para a sanção do presidente Michel Temer, a qual deve ocorrer nos próximos dias.

A carga horária do Ensino Médio passará a caminhar em direção à meta de ampliação para ao menos mil horas anuais em cinco anos e professores de notório saber, aqueles sem formação específica na área de atuação, poderão lecionar, mas apenas em ensino técnico e profissional.

Fora isso, a flexibilidade do currículo é uma das maiores mudanças propostas pela medida. Ela indica que 60% da grade será composta por disciplinas obrigatórias instituídas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e 40% serão destinadas para os itinerários formativos, que se tratam de cinco áreas de estudo para aprofundamento. As escolas devem oferecer ao menos uma, sendo elas linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e sociais aplicadas e formação técnica e profissional.

No entanto, algo que ainda parece instável é a situação das disciplinas de arte, educação física, sociologia e filosofia na BNCC, que deverá ser definida até o fim do ano. Por ora, as únicas matérias obrigatórias são matemática, português e inglês. Vale apenas dizer que o texto original da MP 746 não incluía a obrigatoriedade dessas disciplinas, mas uma emenda constitucional restabeleceu a norma quando o documento passou pela Câmara. O que se pode esperar para 2018, ou até 2019, é ainda um pouco incerto.